Coluna: Frei Betto




Frei Cláudio, o pároco

Frei Betto  

Pessoas não são  descartáveis. Muito menos quando se trata de um frade da venerável Ordem dos  Carmelitas que abandona o conforto de sua terra, a Holanda, para servir a  comunidade cristã numa paróquia de Belo  Horizonte.

Falo de frei  Cláudio Van Balen, ordenado sacerdote há 50 anos e brasileiro de coração há  44. Ruivo, espigado, gestos decididos e orador de frases curtas e  contundentes, o bom humor faz de frei Cláudio um dos melhores contadores de  piadas que conheço. Talvez esse seja o segredo de sua perene jovialidade.  Desde que o conheci, na década de 1970, tem a mesma alegria de  viver.

Escritor  profícuo, autor de inúmeras obras de espiritualidade e liturgia, paróco da  igreja Nossa Senhora do Carmo, frei Cláudio jamais foi um mero burocrata da  fé, como certos padres que se restringem a cumprir horários de missas  dominicais e a agenda paroquial de batizados e casamentos. Quase nunca têm  tempo para visitar seu rebanho, em especial a parcela mais pobre. 

Há párocos do  “venhais vós ao nosso reino”. Jamais se preocupam de, espontaneamente, ir ao  encontro de seus paroquianos. Frei Cláudio é um pastor dedicado às suas  ovelhas. Visita com frequência as famílias da paróquia nos bairros Carmo e  Sion. Em especial, aquelas que se encontram em dificuldades. 

Quando estive  preso, sob a ditadura militar, ao longo de quatro anos, frei Cláudio me  animava com suas generosas cartas, publicadas em Cartas da Prisão  (Agir), e visitava meus pais, seus paroquianos, quase toda semana. 

Corre a notícia  de que, por discordar da ação pastoral de frei Cláudio , a arquidiocese de  Belo Horizonte teria dado a ele o prazo de abandonar a paróquia do Carmo até  31 de maio. Será que há diálogo entre o colégio episcopal e o conselho  paroquial do Carmo?
Frei Cláudio teve oportunidade de se defender das  suspeitas que pesam sobre ele (é acusado de ser demasiadamente heterodoxo em  suas pregações e nos boletins dominicais) e apresentar as razões de sua  inovadora ação pastoral?

A paróquia do  Carmo é um dinâmico centro de evangelização e serviços prestados à população  carente. Ali trabalham 82 funcionários e 316 voluntários! Entre os vários  serviços destacam-se: Pastoral da Saúde, que beneficia crianças de 0 a 6 anos  (e já fez quase 30 mil atendimentos); Centro de Atendimento Terapêutico  (psicoterapia, orientação profissional e fonoaudiologia); Pastoral da Promoção  Humana (alfabetização de adultos); Projeto Conviver (crianças e adolescentes  em situação de risco); Bazar da Vovó (idosas); Clube de Mães; biblioteca;   Centro de Atendimento Jurídico (às famílias pobres de vilas e favelas);  Escola Profissional (informática, digitação, eletricidade, mecânica de  automotores, massagem para a terceira idade etc.); ambulatório; Bazar da  Família (venda de produtos a preços simbólicos); Equipe de Costura; Creche do  Morro do Papagaio (65 crianças); Creche Terra Nova (100 crianças); e Instituto  Zilah Spósito (334 crianças e adolescentes em situação de  risco).

De janeiro a  novembro de 2009, a paróquia do Carmo arrecadou – através de dízimos,  alugueis, doações e eventos – R$ 1.468.026,00 e gastou, com projetos sociais e  despesas administrativas R$ 1.507.745,00 Tudo ali é transparente, como os  serviços e a contabilidade. 

No sínodo dos  bispos em 1971, em Roma, um arcebispo africano apresentou a seus pares, por  documentário, a liturgia em sua diocese. O filme mostrava um tronco de árvore,  cortado quase rente à raiz, como altar. Em volta, negros de tanga tocando  tambores e negras, com os seios à mostra, dançando na missa. Um cardeal romano  protestou indignado: “Isto é uma blasfêmia. Não é a liturgia da Igreja.”   O africano reagiu calmamente: “Pode não ser a de Roma, mas da Igreja é.  Porque se nós africanos tivéssemos evangelizado a Europa, a esta hora todos os  senhores estariam dançando desnudos em volta do  altar.”

Esta a questão:  a atividade pastoral de frei Cláudio Van Balen contradiz a Igreja Católica?  Nem o próprio Jesus quis uniformidade em sua Igreja. Não são quatro os  evangelhos? Vejam as brigas entre Pedro e Paulo na Carta aos Gálatas. A  pluralidade de métodos de evangelização é uma riqueza. A tolerância, uma  virtude. O diálogo, a via mais fácil para as pessoas se  entenderem.

Frei Betto é  escritor, autor de “Um homem chamado Jesus”  (Rocco), entre outros  livros. http://www.freibetto.org

Copyright 2010 – FREI BETTO - É proibida a reprodução deste artigo em qualquer  meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização. Contato – MHPAL – Agência Literária (mhpal@terra.com.br)


Compartilhe
Envie por email
Imprimir
voltar topo da pagina

Contém Amor

Contém Amor

Agenda

Guia do Empreendedor...

Audioteca Sal e Luz...

Enquetes

O que você pretende mudar na sua vida em 2015?

 ter mais tempo pra minha família

 mudar de emprego

 viajar mais

 ajudar em um projeto social

 cuidar mais do meio ambiente

Ver resultado

Outras enquetes

Amaivos 2012 - Todos os direitos reservados.