AMAI-VOS




A visão cristã do sexo

“A verdadeira educação pretende a formação da pessoa humana (...). Por isso, é necessário que as crianças e os adolescentes sejam ajudados em ordem ao desenvolvimento harmônico das qualidades físicas, morais e intelectuais, e à aquisição gradual dum sentido mais perfeito da responsabilidade na própria vida. E, portanto, formados numa educação sexual positiva e prudente, à medida que vão crescendo” (Declaração “Gravissimum Educationis”, nº 1).

Diante dessa afirmação, acrescentemos alguns critérios que possam ajudar a distinguir entre o certo e o errado numa reflexão mais aprofundada sobre o assunto.

Certas atitudes diante do sexo estão marcadas por dois excessos, errôneos e opostos entre si: o puritanismo protecionista e a permissividade libertária. Ambos encaram o sexo de modo puramente funcional, simples fonte de prazer. O primeiro para condená-lo, o segundo para exaltá-lo acima de qualquer medida ou norma. Um e outro consideram o pudor sob uma visão repressiva, ora alimentado pelos mecanismos do medo na falsa mentalidade puritana, ora combatido do ponto de vista da licenciosidade.

Uma concepção cristã distingue-se nitidamente destes dois lamentáveis extremos e firma a posição original segundo o plano divino. Na Bíblia, a sexualidade está ligada à imagem e semelhança do Criador como fonte de Vida (Gn 1,28) e expressão da dimensão social do Homem, chamado a constituir comunidade (Gn 2,18). A existência do pecado, separando a Criatura de sua referência, que é Deus, introduz a divisão (Gn 2,5) e acarreta à sexualidade consequências desastrosas. A relação sexual torna-se ambígua. Embora fundamentalmente boa, sofre os efeitos da desobediência à Lei do Senhor. Sem os valores absolutos que lhe dão sentido, divide e desorienta o homem.

Apesar de observâncias rituais ligadas a determinado contexto histórico e cultural, o Antigo Testamento jamais põe em dúvida a importância do relacionamento sexual autêntico através do matrimônio. Pelo contrário, sobretudo na tradição profética vem a ser um símbolo da relação do Senhor com o seu povo.

O Novo Testamento traz contribuição original e definitiva. Jesus Cristo redimensiona o sexo, incluindo-o na singular perspectiva trazida pelo Redentor (Mt 19,12). Proclamando a castidade como sinal do Reino que chegou, o Senhor substitui as minuciosas prescrições da Lei por uma significação nova do conceito de pureza (cfr. Mt 7,1-23). Afirmando positivamente o valor da pureza do coração, marcado pelo pecado (Mt 5,28; 15-19).

São Paulo, que é injustamente acusado de ser hostil ao sexo, vivendo em ambiente dissoluto – o grande porto de Corinto – se insurge contra o aviltamento tão característico daquele tempo, como também o faria na atualidade (1Cor 6,9 – cfr. Rm 1,24-27). Dá diretrizes absolutamente válidas ainda hoje (1Cor 7,1-6). A Verdadeira educação para o amor deverá sempre partir dos princípios por ele levantados: o processo de formação brota da experiência de uma vida nova, da criatura salva por Cristo e inserida em seu Ministério, templo do Espírito Santo (1 Cor 6,12-20; Rm 13,14; Gal 5,16-19).

Na evolução do pensamento cristão, os Padres da Igreja apresentam, é certo, elementos condicionados à ambiência da degradação pagã, à polêmica da luta contra os erros rigoristas ou de laxismo que grassavam na Comunidade eclesial e à influência da filosofia pagã ambiental neo-platônica e estóica. Mas expunham também a doutrina do Evangelho, orientando o cristão não para uma repressão, mas para uma atitude sobrenatural de valorização do sexo, integrando-o num contexto mais amplo que é a Pessoa Humana, santificada pelo Batismo.

Com o desenvolvimento da atual antropologia de orientação personalística, novos elementos vêm-se juntar ao ensinamento da Fé, não para negá-la, mas para enriquecê-la e aprofundá-la. O homem é uma unidade, de maneira que o sexo jamais pode ser considerado como um sistema autônomo. E o ser criado encontra na abertura para Deus seu centro de identidade e de realização. Retoma-se, assim, com força renovada, a visão da sexualidade integrada em valores maiores: o amor, a família, o cônjuge fiel, a fecundidade. O pudor não representa mera reação repressiva, mas um procedimento natural de proteção de tais princípios.

A moral cristã do sexo deve ter seu fundamento em uma visão clara e lúcida onde a luz orientadora da Revelação se harmoniza e enriquece com as contribuições da verdadeira ciência e da sã filosofia.

Há, hoje em dia, toda uma literatura que parece ignorar essas diretrizes. Não é difícil conseguir estudos que abordem o assunto da educação sexual. Mais raro é encontrar trabalhos que constituam uma autêntica formação cristã para o amor, ao mesmo tempo aberta e personalizante, sem se afastar do sentir da Igreja.

Até mesmo publicações audiovisuais religiosas, com intenção educativa, confundem o pudor com o medo, o controle com a repressão, preconizando falsa e nefasta libertação sexual que a nada conduz, para engano e prejuízo daqueles que a elas recorrem. Devem ser corajosamente rejeitadas. Assim o reclama nossa fidelidade ao Evangelho de Jesus Cristo.

Busquemos, pois, aprimorar o dever de educar, que pertence primariamente à família, mas que precisa da ajuda de toda a sociedade.

Autor: Cardeal Eugenio de Araujo Sales
Compartilhe
Envie por email
Imprimir
voltar topo da pagina

Contém Amor

Contém Amor

Agenda

Guia do Empreendedor...

Audioteca Sal e Luz...

Enquetes

O que você pretende mudar na sua vida em 2015?

 ter mais tempo pra minha família

 mudar de emprego

 viajar mais

 ajudar em um projeto social

 cuidar mais do meio ambiente

Ver resultado

Outras enquetes

Amaivos 2012 - Todos os direitos reservados.