Afrodescendentes




Poemas em homenagem a mulher negra, latino-americana e caribenha

25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha**

As mulheres negras da diáspora africana celebram 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha, como símbolo de (re)união e de (re)conhecimento mundial de suas histórias de vida guerreira, combativa e imprescindível à construção de um mundo solidário, multiétnico e pluricultural. Estas mulheres negras têm, em comum, vidas marcadas pela opressão de gênero, agravadas pelo racismo e pela exploração de classe social.

A escolha da data ocorreu no I Encontro das Mulheres Negras da América Latina e do Caribe, realizado na República Dominicana, em 1992. Estiveram presentes mulheres negras de mais de setenta países, com o objetivo de dar visibilidade à sua presença nestes continentes. No evento foi criada a Rede de Mulheres Negras da América Latina e do Caribe, para trocar informações, estreitar o relacionamento e realizar ações em conjunto.

O aprofundamento da aliança entre as mulheres negras da diáspora deu-se na III Conferência Mundial Contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e Formas Correlatas de Intolerância realizada em 2001 na África do Sul. Neste cenário, a Articulação de Organizações Não-Governamentais de Mulheres Negras Brasileiras desempenhou um importante papel, reunindo organizações de mulheres negras de diferentes pontos do país e destacando-se na construção de propostas para a Conferência.

A data reforça a necessidade urgente da implementação de políticas afirmativas para as mulheres negras da diáspora, pelos países da América Latina e do Caribe. No Brasil, a maioria das mulheres negras é detentora de cidadania inconclusa. Estudo realizado pela pesquisadora Wania Santana, utilizando dados do Programa das Nações Humanas para o Desenvolvimento (PNUD) de 1999, demonstra que as mulheres negras brasileiras ocupam a 91ª colocação, entre 143 países, considerando o Índice de Desenvolvimento Humano Ajustado ao Gênero - IDHG – que avalia a renda per capta, o nível de instrução e a expectativa de vida.

O Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha é mais do que uma data comemorativa, representa a luta pelo empoderamento das mulheres negras fora da África. Um mundo novo só será possível, quando as diferenças forem consideradas como riquezas e não utilizadas como sinônimo de inferioridade.


Viva Mulher Negra com os poemas-mulher:

- Divas são dádivas, de José Ricardo d´Almeida
- Mulher, de Roberto Delanne
- Eu-Mulher, de Conceição Evaristo
- Fêmea-Fênix, de Conceição Evaristo
- Mulheres negras, de Ana Maria Felippe
- Maria Tereza*, de Éle Semog


Divas são dádivas
                    José Ricardo d´Almeida

          I
Divas são divinas
São dádivas trocadas

Divas são divinas
Porque são elos
Unem o sagrado ao profano

Divas são divinas
Dão em sacrifício
O que recebemos em prazer

Divas são divinas
Vivem em recolhimento
Sobre o nosso prazer

Divas são divinas
Divas são eternas

As divas são perenes
São mães, amantes, traidoras, e necessárias
Sem divas não seremos súditos
Sem musas não seremos poetas
Sem dádivas não seremos nada

          II
Sem Lélia, Betinha, 1

Tantas divas subtraídas
Sem suas memórias cuidadas
Não faremos retribuições
Enfraqueceremos o mana*

Talismã, legado, fonte de riqueza
De única obrigação
Retribuir

"Nunca vi tão generoso
que o receber não fosse o recebido"**

* Elemento da honra e do prestígio que confere a riqueza e a autoridade em povos da Oceania.
** Adaptado do Havamal, poema Edda escandinavo. in Mauss, Marcel (1872-1950)
1 Referência às lideranças femininas negras Lélia Gonzalez e a Beatriz Nascimento
Julho de 2007 - José Ricardo d´Almeida - http://atabaqueblog.blogspot.com/


Mulher
             Roberto Delanne

Será que é homem?
Talvez... pode ser...
O que não duvido
É do seu poder.

Porém, se não for,
Algo vai mudar.
A mente de todos
Vai-se transformar.

Já é de costume
O povo dizer
Que a força do homem
Detém o poder.

Contudo, a mulher,
Por ser delicada,
É quem suaviza
Esta vida malvada.

É dela que vem
A nossa bondade.
Com ela se tem
Toda felicidade.

Só ela possui
O dom de esperar
Que um filho à morte
Possa se salvar.

É ela quem tem
A fé e esperança
No filho que nasce
E na filha que dança.

Só ela transforma
A casa em lar
E a dor de um filho
Sabe confortar.

É ela quem diz
O caminho a seguir.
Só ela traduz
A missão a cumprir.

Foi ela que um dia
Um filho pariu
E tão desolada
Na prisão o viu.

Ela fica alegre
Se o filho vai bem,
Porém, fica triste
Se um filho não tem.

Foi ela que um dia
Seu corpo entregou
Ao dono e senhor
Que escrava a tornou.

Mas ela lutou.
Lutou pra morrer,
Pra salvar o filho
Que escravo foi ser.

E ela até hoje
Se sente em desgraça
Por ver a má sorte
Que tem sua raça.

Mas isto inda é pouco.
Tem mais, muito mais,
Ela é quase perfeita
Em tudo que faz.

O homem é bom.
Também é verdade,
Porém, não acaba
Com tanta maldade.

Se a força que tem
Soubesse usar
Não ia a guerra
Querer começar.

Se ele foi capaz
De tanta beleza,
Não ia querer
Acabar, com certeza.

Só sei que é homem
Por ouvir dizer...
Mas se for mulher,
Que vamos fazer?

Eu sei que é difícil...
Fale quem quiser...
Mas vou afirmar
Que Deus é Mulher.


Eu-Mulher
                 Conceição Evaristo

Uma gota de leite
me escorre entre os seios.
Uma mancha de sangue
me enfeita entre as pernas.
Meia palavra mordida
me foge da boca.
Vagos desejos insinuam esperanças.

Eu-mulher em rios vermelhos
inaugura a vida.
Em baixa voz
violento os tímpanos do mundo.
Antevejo
Antecipo
Antes-vivo
Antes-agora-o que há de vir.
Eu fêmea matriz
Eu força motriz
Eu-mulher
abrigo da semente
moto-continuo
do mundo.


Fêmea-Fênix
                 Conceição Evaristo

Navego-me eu–mulher e não temo,
sei da falsa maciez das águas
e quando o receio
me busca, não temo o medo,
sei que posso me deslizar
nas pedras e me sair ilesa,
com o corpo marcado pelo olor
da lama.

Abraso-me eu-mulher e não temo,
sei do inebriante calor da chama
e quando o temor
me visita, não temo o receio,
sei que posso me lançar ao fogo
e da fogueira me sair inunda,
com o corpo ameigado pelo odor
da queima.

Deserto-me eu-mulher e não temo,
sei do cativante vazio da miragem,
e quando o pavor
em mim aloja, não temo o medo,
sei que posso me fundir ao só,
e em solo ressurgir inteira
com o corpo banhado pelo suor
da faina.

Vivifico-me eu-mulher e teimo,
na vital carícia de meu cio,
na cálida coragem de meu corpo,
no infindo laço da vida,
que jaz em mim
e renasce flor fecunda.
Vivifico-me eu-mulher.
Fêmea. Fênix. Eu fecundo.


Mulheres negras
                    Ana Maria Felippe
                    2006

Ah! mulheres negras
essas impressionantes
sempre a importar a mais funda ancestralidade!

Ah! mulheres, úteros de verdades
tamanhas!
Geração de vida permanente
junto ao silêncio da profusão de cores das formas de vida!

Ah! mulheres-esteio! Sois marcas do fundamento da humanidade
desde África
se espraiando por um planeta sem sentido
onde dar depende do que se tem de volta!

Ah, essas mulheres, essas negras
veludos de conforto e aflição.

Ah! mulheres, velhas mulheres negras
portando a sabedoria do porvir
que não perdoa
aqueles que não se fazem irmãos!!!


Maria Tereza*
              Éle Semog

Mandaram um baixo caô pra Maria Tereza,
que eu fui no samba do Império Serrano
e me arrumei com uma cabrocha daquelas
quem via pensava: ele é o cara, é o dono.

Inocente, cheguei à tardinha em casa
com pão fresco, Mineirinho e mortadela
Maria Tereza de bico assim, emburrada
e nada, nadinha de nada nas panelas.

Pensei, a negra tá naqueles dias,
melhor não falar, ficar na minha,
mas o quê, de repente ela aloprou
e começou com aquela ladainha.

Deu-me uma sugesta da pesada,
um zum, zum, zum, só baixaria,
que nenhum malandro da antiga
garanto, duvido que agüentaria.

Perguntei meio no sapatinho,
o quê que houve minha preta?
- vai tomar dentro daquilo,
seu traidor, escroto, capeta!

Saí na boa pra refrescar a cabeça,
beber uma pinga e umas cervejas,
jogar uma purrinha, ou carteado,
e me esquecer de Maria Tereza.

Na roda, senti uma dor no peito,
pensei: ih! Capa Preta me pegou,
vou pra casa, já é, não tem jeito,
mas no caminho a dor quebrou.

Teteca, que é crente, abriu
o meu patuá, minha magia,
e aquela dor foi só um aviso
de alguns orixás ao meu guia.

Acendeu o brinde, meu charuto cubano,
deu dois de onda e apagou na privada
e perguntou quem era a cadela, a vaca,
que me esfreguei no Império Serrano.

Ah... então o escarcéu é por isso!
Teteca, minha jóia, meu sonho,
só você linda é o meu compromisso,
vamos juntos ao Cacique de Ramos.

O elefante da sala, de bunda pra rua,
que a gente tem contra mau olhado,
parecia que era uma bala perdida...
Teteca me acertou bem desse lado.

Levei oito pontos no quengo
fiquei duas horas desmaiado.
Meto umas porradas na negra...
não, fui dar queixa ao delegado.

Há muito tempo que Maria Tereza
está um doce, uma flor sem igual,
assinou um 129, lesões corporais.
Qualé?  esculachar a minha moral!

Na verdade eu retirei a bronca,
mas ainda não contei pra ela,
faz de conta que me deu alforria
para eu ir nos pagodes da Portela.

* poema inédito, do livro “Melanina da Pura”

** Texto extraído de Maria Mulher - Informativo Ano 02 - Nº. 13 - 25 de julho de 2005 - Porto Alegre – RS - http://www.mariamulher.org.br/


Compartilhe
Envie por email
Imprimir
voltar topo da pagina

Contém Amor

Contém Amor

Agenda

Guia do Empreendedor...

Audioteca Sal e Luz...

Enquetes

Em quem você vai votar para Presidente no segundo turno, em 2014?

 Dilma Rousseff

 Aécio Neves

 Branco ou Nulo

Ver resultado

Outras enquetes

Amaivos 2012 - Todos os direitos reservados.