Jesus Cristo

O rico e o pobre: perdição e salvação

Gilda Cavalho
gilda@dctch.puc-rio.br

Jesus falava por muitas parábolas.  Uma ocasião, no meio dos fariseus, contou-lhes a seguinte: havia um homem muito rico que se vestia finamente e promovia banquetes extraordinários.  À porta da casa desse homem, vivia um pobre, chamado Lázaro, que nada tinha para viver; passava fome e seu corpo era coberto por feridas.  Nem as migalhas que caía da mesa do rico lhes eram dadas para comer. O rico morreu; o pobre, também e foi levado para o Reino de Deus, junto de Abraão.  O rico, da região de tormentos em que se encontrava, via o pobre junto a Abraão e gritava, pedindo piedade.  Mais: diante do calor que o consumia, pedia que Abraão mandasse o pobre molhar a ponta do dedo e que viesse até ele para refrescar sua língua.  Mas Abraão negou seu pedido: em vida, o rico nada tinha feito pelo pobre e este só encontrou sofrimento e dor.  Agora, era a vez dele ser acolhido junto ao Pai e Nele encontrar seu consolo.  Entre o rico e Lázaro havia um grande abismo.  Mas, o rico insistia: que Abraão então mandasse Lázaro à casa de sua família para preveni-la, e Abraão tornou a negar-lhe o pedido: que eles acreditassem nos profetas!  O rico sabia que seus parentes não acreditavam nas palavras dos profetas, mas, quem sabe se fossem palavras ditas por alguém ressuscitado dos mortos...  Porém, definitivamente, seu pedido foi negado.

A moral da história contada por Jesus é muito mais profunda que simplesmente acreditarmos que todos os pobres serão salvos enquanto que todos os ricos terão o inferno como fim.  A riqueza e a pobreza que Jesus nos fala aqui não é somente o que se refere às condições materiais da vida humana.  Jesus nos fala da riqueza e da pobreza do coração.

Deus não condena a riqueza em si, mas a faculdade que a riqueza tem de fazer com que o rico se feche e não consiga perceber a necessidade dos demais.  Deus não quer uma humanidade de pobres; ao contrário, deseja todos ricos. Todos, sem exclusão!  Portanto, o rico da história contada por Jesus conquistou o inferno não por sua condição de rico, mas porque havia em sua porta – ou seja, em um local onde todos os dias ele passava sem sequer dar conta – um pobre e ele nada fez por aquele irmão.

Nas condições de distribuição de renda que vivemos hoje, onde ricos são cada vez mais ricos e pobres cada vez mais pobres, causa desalento a perspectiva distante de transformarmos nossa sociedade em um mundo igualitário.  A ganância, o poder, o ter em detrimento do ser são valores totalmente disseminados entre nós como positivos e até necessários para sobrevivência.  Esquecemo-nos cada vez mais dos valores evangélicos: deixar a cada dia a sua preocupação, deixar que Deus proveja nosso sustento, amarmo-nos uns aos outros... Enfim, valores muito distantes de um mundo consumista e hedonista.

Como é atual história que Jesus nos conta!  Através dela podemos descobrir que não é o fato de ser – ou viver como – pobre que nos salvaremos.  Muitos vivem real pobreza material, mas têm coração de ricos tamanho o orgulho, o comodismo, ou, ainda, o egoísmo em que vive.  Mas, a imagem do rico no inferno, deve nos fazer refletir sobre nossa capacidade de amar: quanto maior esta for e nos possibilitar um real encontro com o outro, mais seremos capazes de entender a plenitude de amor vivida no Reino de Deus.  Quanto maior for nosso egoísmo, mais difícil o nosso entendimento.  Por isso, o abismo existente entre Lázaro e o rico.  Se não aprendermos rapidamente isso e não agirmos para mudar toda a realidade em que vivemos, tão grande quanto será o abismo entre cada um de nós e Deus.

Texto para sua oração: Lc 16, 19-31

 


Compartilhe
Envie por email
Imprimir
voltar topo da pagina

Contém Amor

Contém Amor

Agenda

Guia do Empreendedor...

Audioteca Sal e Luz...

Enquetes

O que você pretende mudar na sua vida em 2015?

 ter mais tempo pra minha família

 mudar de emprego

 viajar mais

 ajudar em um projeto social

 cuidar mais do meio ambiente

Ver resultado

Outras enquetes

Amaivos 2012 - Todos os direitos reservados.