Ser grato

Luiz Paulo Horta

A vida de todo dia traz muitas dificuldades. Em certos momentos, a pressão é tão grande que se transforma em angústia. E, no entanto, estamos vivendo um mistério extraordinário. Como diz a epístola de são Pedro, "bendito seja Deus que nos tirou das trevas para a sua luz admirável".

Apesar de todos os problemas, no fundo de nós mesmos deveria existir um sentimento de gratidão. Porque fomos chamados à vida, e recebemos esse patrimônio incrível que é a natureza humana. Tão incrível, que aprouve ao próprio Deus revestir-se da nossa humanidade, viver como um de nós, sofrer como sofremos, e também sentir as nossas alegrias.Essa atitude básica de gratidão é o tema de uma das cartas do monge Barsanúfio, que viveu no século VI nas imediações de Gaza, Palestina:

"De acordo com as palavras do Apóstolo, devemos conservar sempre uma atitude de gratidão:

"Em tudo, demos graças a Deus". "Demos graças, inclusive, pelas tribulações, sofrimentos, angústias, doenças, porque também é o Apóstolo quem diz: "Através de muitas tribulações entraremos no Reino de Deus". E lá, seremos livres de todo mal.

"Não tenha dúvidas, nunca desanime. Lembre-se do ensinamento de Paulo: "Embora a nossa natureza exterior se gaste continuamente, a nossa natureza interior se renova a cada dia". Aceitando o sofrimento, seremos capazes de partilhar da cruz de Cristo.

"Enquanto o navio estiver em mar alto, está exposto ao perigo e à mercê dos ventos. Mas quando ele chega ao porto, já não há nada que ameace sua segurança, sua tranquilidade, sua paz.

"O mesmo acontece conosco. Durante esta vida, somos sujeitos ao sofrimento e atacados pelas tempestades espirituais. Mas quando chegarmos ao término dessa viagem, não teremos mais nada a temer".