SOBRE O AMOR E O AMAR

Publicado em 28/5/2019 por: Eduardo Machado

“Tenho que me apressar, o tempo urge.

Não posso perder um minuto do tempo que faz minha vida.

Amar os outros é a única salvação individual que conheço.

Ninguém estará perdido se der amor e, às vezes,

Receber amor em troca.

Sempre me restará amar.

Escrever é alguma coisa extremamente forte,

Mas que pode me trair e me abandonar.

Posso um dia sentir que já escrevi o que é meu lote neste mundo

E que eu devo aprender também a parar.

Em escrever eu não tenho nenhuma garantia.

Ao passo que amar eu posso até a hora de morrer”.

Clarice Lispector

Lendo (saboreando, contemplando...)

Drummond, Vinícius, Clarice, Cecília,

D. Pedro, Guimarães Rosa, Adélia, Rubem Alves,

Manoel de Barros, Érica Toledo, Libanio,

Adroaldo (e outros e outras tantos e tantas...),

Aprendi que o amor é permanência.

A paixão quer pra já.

O amor quer pra sempre.

Escrever sobre o amor, descrever o amor,

Buscar amar e me deixar amar,

É minha terapia.

O amor é meu berço, caminho e destino, pois que Deus,

Que é amor, criou cada um de nós por amor e para o amor

Ah, você é ateu...

Eu até poderia, a modo de Nietzsche, decretar a morte de Deus.

Poderia, quem sabe, até sobreviver, não sem dor,

À ideia da inexistência de Deus.

Mas não poderia suportar a morte do amor.

E aí, quem me salva é o apóstolo João quando diz:

‘Deus É amor’...

Ele não fala de uma ação, mas de um estado.

Deus não ama, simplesmente. Ele É o próprio amor.

Podemos até matar Deus como ideia.

Mas se sua ação amorosa permanece em nós,

Se permanecermos nela.

Está salvo o essencial.

Nossa vocação primeira, original

Amar e me deixar amar: questão de sobrevivência...

Eduardo Machado