Espaço Social

Pílulas Espirituais - 23/janeiro

Publicado em 25/1/2019 por: Pe. Pedro Magalhães Guimarães Ferreira S.J.

13.« [Há coisas] que são pequenas no fundo, mas consideráveis nas suas causas ou nos seus efeitos. Um olhar inconsiderado não parece um grande mal e no entanto é causa às vezes da morte […] de uma alma […]. [Por outro lado,] evitar um olhar curioso, se abster numa refeição de algo fino, parece pouca coisa e no entanto às vezes é algo grande quando se faz no sentido de se mortificar […]. Isto marca um verdadeiro desejo de perfeição [do amor a Deus] e a gente vê por experiência que aqueles que se privam por amor a Deus de muitas pequenas coisas, têm em geral uma grande virtude » (Id, Chapitre II, p. 119)

14.« Amar a Deus de todo coração é […] não dar lugar no seu coração se não a Deus, não se alegrar se não n’Ele, não ter nenhuma afeição se não a Ele, não querer servir se não a Ele, não procurar cumprir se não a Sua vontade, não se interessar por nada, a não ser por Sua glória. »

(Id, Chapitre V, p. 178)

15.“Quando uma alma renunciou a tudo, quando por um trabalho de muitos anos ela chega enfim a um tal estado que nada no mundo é capaz de lhe causar pena, nem de lhe atrair e lhe encantar, então ela é livre; ela pode voar [...] e se elevar até o Céu para repousar nos braços de seu Criador.” (Id, p. 198)

16.«Quando uma alma generosa e fiel rompeu todas as amarras, quando ela se tornou livre, ela começa a respirar um ar tão puro e doce de que não se pode falar a não ser que se tenha experimentado […] e quando a hora da morte vier, longe de ter medo, ela terá uma alegria inconcebível. » (Id)

17.“Amo somente a ti, sigo somente a ti, busco somente a ti, estou disposto a servir somente a ti e desejo estar sob a tua jurisdição, porque somente tu governas com justiça. Manda e ordena o que quiseres, mas sana e abre meus ouvidos para ouvir tuas palavras; sana e abre meus olhos para enxergar os teus acenos. Afasta de mim a ignorância para que eu te reconheça. Dize-me para onde devo voltar-me para ver-te e espero fazer tudo o que mandares. Suplico-te: recebe teu fugitivo, Senhor e Pai clementíssimo; já sofri muito; já servi demais aos teus inimigos, os quais sujeitas sob teus pés; por muito tempo fui ludibriado por falácias. Recebe-me, que sou teu escravo fugindo deles, que me receberam, estranho a eles, quando eu fugia de ti. Sinto em mim que devo voltar a ti. Abra-se tua porta para mim, que estou batendo.” (Santo Agostinho, Solilóquios, n. 5)

18.« Se São Francisco Xavier foi capaz de orar a Deus, dizendo ‘Eu vos louvo não porque Vós tendes o poder de dar [a alguem] o céu ou o inferno, mas simplesmente porque Vós sois Vós, meu Rei e meu Deus’ é porque ele percorreu um longo caminho de purificação interna até atingir tão grande liberdade – um caminho povoado de tentações e perigos, mas um caminho necessário » (Ratzinger, Joseph (2007-05-15). Jesus of Nazareth. Random House, Inc., Kindle Edition, loc. 2426)

Pe. Pedro M. Guimarães Ferreira S.J.