Espaço Espiritual

Um fórum para debater com Deus

"O Fórum Mundial de Teologia e Libertação compreende que a liberdade será humana se houver liberdade para respirar e viver também para todas as formas de vida. Sem isso, não há outro mundo possível. Ora, isso chama Deus em causa, como fez o inocente sofredor Jó da Bíblia. Ou o grito de Jesus em sua dor de morte", escreve Frei Luiz Carlos Susin, teólogo e professor na PUC-RS, em artigo publicado no jornal Zero Hora, 23-01-2009.

Eis o artigo.

Se Deus é Criador de tudo isso, ele tem que estar do lado dos que estão perdendo, inclusive da biodiversidade, que é condição de vida. O resto é ateísmo sincero ou mascarado de religião

Há, hoje, fóruns para tudo. É uma característica de nosso tempo: o fórum é o espaço mais amplo de exercício democrático, de inclusão e empoderamento, através do confronto, da troca de experiências, da contaminação e inspiração. Fórum é conspiração, respiração coletiva. Bom, nestes dias, precedendo o Fórum Social Mundial em Belém (PA), vamos assistir a uma multiplicidade de fóruns afins, como o de juízes, de prefeitos, de trabalhadores da terra. Entre eles, também o Fórum Mundial de Teologia e Libertação, que acontece neste mês.

Teologia, como dizia o grande mestre Tomás de Aquino, é pensar Deus e pensar todas as coisas do ponto de vista de Deus. É muito difícil pensar diretamente Deus, porque, se Deus é Deus, não se deixa enredar em nossos pensamentos: Deus - se é Deus - escapa sempre. No lugar dele podemos nos enredar no fundamentalismo religioso e eclesiástico, que é tão perigoso quanto o fundamentalismo econômico ou político. Ou fica o ateísmo, que normalmente reage ao seu irmão gêmeo, o fundamentalismo religioso.

Mas pensar nosso mundo do ponto de vista de Deus não é absurdo e pode ser uma exigente e apaixonante tarefa. Aqui em Porto Alegre, em 2005, o primeiro Fórum Mundial de Teologia e Libertação pensou que, se acreditamos realmente que outro mundo é possível, é necessária outra imagem de Deus, outra forma de religião, outro discurso teológico. Já no segundo, em Nairóbi, no Quênia, em 2007, vieram ao fórum diferentes formas de espiritualidade e a figura fulgurante do arcebispo anglicano Desmond Tutu, pacificador da África do Sul ao lado de Mandela: Deus não se reduz a nenhuma medida, mas em toda medida de justiça está Deus.

Agora, em Belém do Pará, o debate se dá desde a Amazônia, metade do Brasil, esperança ameaçada como emblema de um mundo ameaçado em busca de esperança. O Fórum Mundial de Teologia e Libertação compreende que a liberdade será humana se houver liberdade para respirar e viver também para todas as formas de vida. Sem isso, não há outro mundo possível. Ora, isso chama Deus em causa, como fez o inocente sofredor Jó da Bíblia. Ou o grito de Jesus em sua dor de morte. Se Deus é Criador de tudo isso, ele tem que estar do lado dos que estão perdendo, inclusive da biodiversidade, que é condição de vida. O resto é ateísmo sincero ou mascarado de religião.

Darci Ribeiro empreendeu muitas batalhas em favor dos povos indígenas, da educação, da democracia inclusiva, do meio ambiente. Terminou dizendo que praticamente perdeu em quase todas as suas lutas, mas preferia não estar do lado dos que ganharam. Frequentemente, de fato, é melhor estar do lado dos que perdem. Darci Ribeiro, ateu confesso, não imaginaria o quanto estava perto do pensamento de Deus. E cá estamos nós com essas questões: o debate continua, não pode parar. E até Deus desce para o debate, entra em causa. É um fórum para debater com Deus.